30/08/2010

Kiva Herman no Olivais


O Vencedor da Taça de Portugal e vice-campeão Olvais de Coimbra contratou Kiva Herman, uma jogadora de 1.80 com 23 anos de idade proveniente de S. Diego, onde terminou a Universidade com 18.3 pontos, e 4 ressaltos por jogo no seu ultimo ano, e foi nomeada All West Coast Conference First Team.
Kiva teve também uma curta passagem pelo Canti Riva da Suiça com o registo de 18 pontos por jogo em 2010.
Kiva preenche assim o lugar de Jasmin Player no plantel de José Araujo para a época 2010/2011.

Basket Barcelos com nova Estrangeira



Chama-se Colleen Planeta tem 1.88, 21 anos, e é proviniente da Universidade de Point Loma Nazarene da NAIA. Collen foi considerada uma das melhores jogadoras da história da sua Universidade conquistando além da presença na final 8 da NAIA, o titulo individual de GSAC Player of the Year,e jogadora do First-Team NAIA All-America.
Collen tem 21.1 pontos de média no seu ultimo ano de Universidade, assim como 9.5 ressaltos por jogo.
Collen Planeta é assim a 1º escolha para o plantel de Pedro Maio para a próxima época.

23/08/2010

Inês Viana no cinco Ideal do Europeu

A base Lusa Inês Viana foi a base escolhida nas 16 equipas, para a Equipa Ideal do Europeu.
Com uma prestação muito regular durante toda a prova a Base Portuguesa foi o "motor" da equipa terminando com 11,6 pontos de média,4,1 ressaltos por jogo, e 5,2 assistências, números que não deixam duvidas em relação ao seu valor.
Na hora da entrega dos prémios foram motivos mais que suficientes para celebração.
PARABÈNS


CINCO IDEAL

Angelika Slamová (Eslováquia)
Ines Viana (Portugal)
Fanni Szabó (Hungria)
Amadea Szamosi (Hungria)
Barbora Bálintová (Eslováquia)

22/08/2010

MEDALHA DE BRONZE PARA PORTUGAL


Portugal termina da melhor forma o Europeu de Sub-16, ao vencer a Inglaterra, numa grande exibição, conquistando assim a medalha de Bronze.

O jogo foi comandado desdo o inicio, como que de uma vingança do resultado do dia anterior se tratasse, Portugal mostra no 1º parcial uma diferença de 13 pontos (10-23). A Inglaterra consegue reagir e o que melhor consegue é chegar á diferença de 4 pontos (21-25), faltando apenas 2.58 para jogar até ao intervalo, Portugal passava pela pior fase de desacerto, embora fosse para o descanso com (27-31).

Na 2ª parte a Inglaterra teimava em não desistir da discução do jogo, e consegue passar para a frente no marcador, (36-34), muito por culpa de Shequilia Joseph, a melhor jogadora Inglesa com 25 pontos e 7 ressaltos.

Portugal reagia desde logo, e recupera novamente a liderança do jogo, quipa entrou com a determinação que lhe fez dela neste Europeu como imagem de marca, e no final do 3º quarto já comandava pela diferença de 5 pontos (46-51), para nunca mais a deixar.

O ultimo e derradeiro periodo Portugal dispara para uma grande exibição, aos pouco o fosso começou e a Inglaterra não tinha argumentos para contrariar o maior ascendente Português. Mafalda Barros, arranca uma grande exibição com 25 pontos (7 triplos marcados em 17 tentados)sendo MVP da partida. Até ao final a equipa portuguesa limitou-se a gerir a vantagem e no final, vencia por (52-78)naturalmente fazer uma grande festa pela conquista da medalha de bronze no Europeu. A melhor classificação de sempre.

Parabéns a toda a equipa, agora é altura de disfrutar.



PARCIAIS:

10-23,17-8,19-20,6-27.


INGLATERRA 52

Florence Ward; Jay-Ann Bravo-Harriott; Janice Monakana 3; Leah McDerment 13; Mollie Campbell; Chantel Charles 5; Claire Harper 2; Ashleigh Sumner; Whitney Allen; Shequila Joseph 25; Osaro Otobo 1; Cheridene Green 3.

PORTUGAL 78

Ines Viana 10; Joana Canastra 11; Leonor Cruz 4; Laura Ferreira 5; Carolina Anacleto 2; Nádia Fernandes; Helena da Costa 8; Joana Soeiro 2; Josephine Filipe 2; Letícia Fonseca 3; Mafalda Barros 25; Raquel Jamanca 6.

No jogo que decidiu a Final a Hungria conquistou o ouro,vencendo a Eslováquia por (55-44), sagranda-se assim Campeã Europeia da Divisão B.

CLASSIFICAÇÃO FINAL


1 - Hungria
2 - Republica da Eslováquia
3 - Portugal
4 - Inglaterra
5 - Alemanha
6 - Bulgária
7 - Eslovénia
8 - Roménia
9 - Letónia
10- Israel
11- Dinamarca
12- Irlanda
13- Ucrânia
14- Macedónia
15- Suiça
16- Luxemburgo

Portugal vs Inglaterra - Medalha á vista


De uma forma categórica, Portugal realiza amanhã aquele que será o ultimo jogo do melhor Europeu do escalão Sub-16 para Portugal.

As duas derrotas que a nossa selecção teve com aquelas equipas que ganharam o acesso à Divisão A, e vão disputar amanhã a tão desejada Final, foram apenas contra a Hungria por 6 pontos de diferença, e hoje contra a Eslovénia por 9 pontos, diferenças que nos colocam num patamar a nivél Europeu relevante, e que premeiam todo o trabalho durante meses consecutivos, que toda a equipa teve durante a época, não esquecendo como é evidente o trabalho dos técnicos nos Clubes onde as jogadoras pertencem.

Um misto de emoções, foram vividas em todos os jogos deste Europeu, a vitória frente á forte equipa alemã, resultou numa explosão de alegria pelo êxito alcançado, que para espanto de todos se achava tarefa quase impossivél, não fosse a Alemanha ter no seu plantel 6 jogadoras com mais de 1.80.
Hoje a história foi inversa, e a alegria frente á Alemanha deu lugar a um pranto geral, como se tudo tivesse desmoronado e o esforço fosse em vão, inglório e injusto.

Na vida como no desporto a diferença entre o ganhar e o perder pode ser de milésimos de segundo, e naquela que já é a equipa revelação deste Europeu, aprendemos também a perder para ganhar mais tarde.
A todas as jogadoras sem execpção, recuperar o estado de concentração e de ambição para o próximo embate daqui a poucas horas, é fundamental, e o espirito tem obrigatóriamente de ser de uma grande festa. Mesmo ainda sem jogar contra a Inglaterra, já ganhámos, e a equipa da foto acima, é aquela que todos vamos recordar.

21/08/2010

Sub-16 fora da Final, vão jogar para o Bronze com a Inglaterra


Jogo de muita responsabilidade, jogo de decisões, jogo de nervos e de grandes emoções, mas qual deles não o foi neste Europeu.
Dificil não levar estes pormenores para dentro do jogo, embora estar a jogar uma 1/2 final, é muito bom para toda a equipa, e para o Basquetebol Português, e...para o país.
Nada melhor que abrir com um triplo de Mafalda Barros, dizer à Republica Eslovaca desde o inicio que estávamos ali para discutir o jogo, e que a vitória sobre a Alemanha não foi por acaso.
A resposta era imediata a equipa das jogadoras cujos nomes acabam em "vá", a Eslováquia mais experiente rapidamente começa a comandar o resultado, embora Portugal sempre por perto o primeiro parcial termina favorável à Eslováquia por 5 pontos (17-22).
No 2º periodo, o equilibrio manteve-se, houve uma ligeiro ascendente de Portugal, pois Inês Viana acabava a 1ª parte com 10 pontos marcados e Mafalda com 9 (3 triplos) até ali, eram as melhores, Jamanca passava discreta, acusando algum cansaço de prestações anteriores ,do lado Checo Mencova era a mais eficaz com 12 pontos e 6 ressaltos. Ao intervalo Portugal perdia por 3 pontos (32-35).
Na 2ª metade a Eslováquia entra melhor no jogo, e foge para 8 pontos de vantagem (32-40), Portugal procedia a varias trocas, porque era necessário continuar a produzir pontos no ataque, já que jogámos 5,30 sem marcar nenhum ponto, sendo Inês Viana, a quebrar o momento do jejum. A Eslováquia começava a sentir mais confiança fugindo para 9 pontos, aparecendo as suas jogadoras exteriores com lançamentos do perímetro com sucesso, e a arbitragem penalizava muito a equipa lusa com faltas, levando as Eslovacas muitas vezes para a linha de lance livre. Mafalda respondia com o seu 4º triplo.
Até ao final do periodo assiste-se a um periodo de menor acerto em termos ofensivos de parte a parte, a Eslováquia entrava assim na derradeira fase decisiva com a vantagem de 9 pontos (37-46).

Com os nervos á flor da pele, próprio de um jogo de grandes decisões a Eslováquia foge para 11 pontos com 6.18 para jogar. Portugal estende a defesa e percebe que não podia deixar fugir a equipa adversária, e num àpice recuperamos para 50-55, a faltar 4.43, obrigando o Treinador Eslovaco a parar o jogo. Tudo era possivél, a Eslováquia começa a sentir algum desconforto, e Portugal dava o tudo por tudo para virar o resultado. Os ultimos minutos são jogados sobre brasas, com muita ansiedade, e a Eslováquia geria a vantagem até ao final e vence por 9 pontos, (53-62).

Inês Viana e Mafalda Barros esta com 5 triplos marcados foram as mais produtivas, do lado Eslovaco Balintová com 16 pontos e Dudasová com 14 foram as melhores.
A Eslováquia foi melhor nos lançamentos livres pois dispôs de 18 tentativas para marcar 13, enquanto Portugal so foi 4 vezes à linha de lance livre.
Aqui percebe-se o critério, pois jogar no leste contra equipas do leste, a tendência qual será?
Nos outros indices estatisticos as coisas foram equilibradas, de destacar mais uma vez os 17 ressaltos ofensivos conquistados por Portugal, a Selecção mais baixa do Europeu, e a que mais ressaltos ofensivos conquistou.


Amanhã Portugal vai concerteza dar tudo para conseguir ganhar à Inglaterra, naquele que será o ultimo jogo desta saga de grande sucesso das Sub-16 Portuguesas.


Boa sorte contra as Inglesas.

PORTUGAL 53

Ines Viana 12; Joana Canastra 8; Leonor Cruz 6; Laura Ferreira; Carolina Anacleto 4; Nádia Fernandes; Helena da Costa; Joana Soeiro; Josephine Filipe 2; Letícia Fonseca 3; Mafalda Barros 15; Raquel Jamanca 13.

REPUBLICA DA ESLOVÁQUIA 63

Nikola Dudásová 14; Júlia Desiatniková 4; Simona Mackulínová 2; Angelika Slamová; Júlia Kezmanová; Dominika Rusináková; Beáta Fricová; Terézia Páleníková 2; Barbora Bálintová 16; Zofia Zarevúcka 2; Michaela Raková 10; Simona Marcová 12.

Portugal defronta a Inglaterra amanhã para decidir a medalha de bronze do Europeu, Na outra 1/2 Final a Hungria venceu a Inglaterra garantindo o acesso à divisão A, e discute amanhã o ouro com a Eslováquia.


Resultados:

Hungria 65 x Inglaterra 50
Alemanha 51 x Eslovénia 36
Roménia 50 x Bulgária 52

20/08/2010

Portugal vence a Alemanha 63-54 e está nas 1/2 Finais















Portugal venceu com todo o mérito a forte equipa da Alemanha, num jogo de grandes emoções, por uma diferença que não deixa duvidas.Com uma toada equilibrada em toda a partida, Portugal depois do 1º parcial desfavorável (15-17), consegue rectificar depois do descanso entre periodos, Inês Viana começa a dar sinais que partia para uma grande exibição no comando da equipa. A Alemanha reagia, muito por culpa de Noémie Rouault, com 20 pontos no jogo, e voltava a passar para frente no marcador (21-22) com 6.55 para jogar até ao intervalo, Portugal tem um grande momento, realizando um parcial de favoravél de 13/7, chegando ao intervalo em vantagem de 5 pontos(34-29).
Depois do descanso Portugal foi quase sempre melhor, embora a Alemanha a espaços, conseguia-se aproximar, a Alemanha começa a não ter argumentos para conseguir para a exibição soberba de Inês Viana, e Portugal chega à entrada do ultimo quarto com uma vantagem de 10 pontos (47-37).
Pensar que chegava para vencer o jogo era completamente enganador, A Alemanha de orgulho ferido, não "entregava o ouro ao bandido", e recupera a desvantagem para 1 ponto (47-46)com 6.43 para se jogar, Ana Neves pára o jogo e volta a repor a ordem na equipa de forma a ganhar mais consistência no jogo, e que o desgaste e a emoção não atirasse ao chão a equipa Portuguesa.
Portugal tremeu,mas não cedeu, e voltou mais sereno e mais concentrado, e faz uma resto de periodo de grande categoria, com uma prestação das jogadoras exemplar.
Até ao final, os segundos pareciam minutos, e quando o cronometro vem a zero, toda equipa explode uma grande festa de celebração, com a noção que já fazem parte da história da melhor classificação de sempre num Europeu Sub-16.
Inês Viana soberba foi MVP com 18 pontos 3 ressaltos e vejam só 10 assistências, bem acompanhada por Raquel Jamanca 13 pontos.
Portugal fez 43% de lançamentos de 3 pontos; 7 marcados em 16 tentativas, contra 2 da Alemanha em 10 tentados, nos lançamentos de 2 pontos a Alemanha foi mais eficaz com 22 marcados em 44 tentativas. Na linha de Lance livre Portugal foi melhor com 14 marcados em 19 tentados enquanto a Alemanha teve apenas 6 tentativas para marcar 4. Nos ressaltos a Alemanha ganhou com mais 4 ressaltos, mas temos de destacar os 12 ressaltos ofensivos conquistados pelas jogadoras portuguesas, contra uma equipa que tem 6 jogadoras acima de 1.80, e Portugal não tem nenhuma com 1.80, valores que temos de considerar impressionantes.
Assim se faz história, e como já disse atráz é obrigatório continuar sonhar, pois o céu é o limite.
Parabéns a toda a equipa.

Parciais:

15-17, 19-12, 13-8, 16-17.

PORTUGAL 63

Ines Viana 18; Joana Canastra 2; Leonor Cruz 7; Laura Ferreira; Carolina Anacleto; Nádia Fernandes; Helena da Costa; Joana Soeiro 6; Josephine Filipe 2; Letícia Fonseca 6; Mafalda Barros 9; Raquel Jamanca 13.

ALEMANHA 54

Melina Knopp 5; Isabell Meinhart; Levke Brodersen 4; Fanny Szittya 3; Teresa Kucera; Marie Gülich 8; Aline Stiller 10; Alina Hartmann; Noémie Rouault 20; Carla Bellscheidt 4; Elisabeth Dzirma; Hannah Siegfried.





19/08/2010

Sub 16 Quartos de Final - Portugal defronta a Alemanha

Chegar ao Europeu com muita falta de Competição Internacional, depois de uma aplicada fase de preparação com estágios sucessivos, a Selecção de Sub-16 liderada por Ana Neves e Cristina Viegas, chegam com todo o mérito onde achavam que era muito dificil. Num grupo de jogadoras, onde não abunda o talento individual das jogadoras, é através do trabalho, da dedicação e do espirito de sacrificio que faz da equipa Nacional, já uma das mais respeitadas do Europeu.
Portugal é a melhor defesa do Europeu, e também por isso, as Sub-16 que nenhuma prespectiva criaram para este Campeonato, e nada prometeram, sabiam que de uma forma humilde mas responsável, elas iriam ter o seu momento, porque trabalharam para isso com o maior empenho.

Um grande exemplo, para todas as selecções masculinas desta modalidade, e para reflectir, naquilo que andamos a tentar fazer, nos Centros de Treino e não só, e em como podemos minimizar a falta do talento nato das ou dos intervenientes, com trabalho e dedicação, por amor à modalidade e à camisola das quinas que vestimos.
Para as Sub-16, quaisquer que sejam os resultados, elas já são as grandes Campeãs.
Parabéns a toda a equipa.

Amanhã Portugal entra em cena a partir das 14.15, e Marie Gulich, a poste de 1.90, da Alemanha a melhor jogadora Germânica com 14,8 pontos de média e 8.8 ressaltos por jogo, já deve ter pensado mais do que uma vez que não seria Portugal que queria encontrar, pelo que não terá nem ela nem as colegas um jogo nada fácil.


Classificação Qualifying Round Grupo E:

1º Hungria 4V - 1D - 9 pontos
2º Portugal 3V - 2D - 8 pontos
3º Bulgária 3V - 2D - 8 pontos
4º Eslovénia 2V - 3D - 7 pontos
5º Letónia 2V - 3D - 7 pontos
6º Dinamarca 1V - 4D - 6 pontos

Classificação Qualifying Round Grupo F:

1º Eslovaquia 5V - 0D - 10 pontos
2º Inglaterra 3V - 2D - 8 pontos
3º Alemanha 3V - 2D - 8 pontos
4º Roménia 2V - 3D - 7 pontos
5º Israel 2V - 3D - 7 pontos
6º Irlanda 0V - 5D - 5 pontos

Quartos de Final

Portugal-Alemanha 14h15
Inglaterra-Bulgária 16h30
Hungria-Roménia 18h45
Eslováquia-Eslovénia 21h00

18/08/2010

Sub-16 Apuradas, são uma das oito melhores do Europeu

A vitória da Bulgária sobre a Eslovénia, (70-62) não veio nada a calhar para a classificação que se precisava, com o risco de entrarmos em contas de desempate entre 3 equipas, para apurar ou não para o grupo do 8 finalistas deste Europeu.
Por tal facto a importância da vitória sobre a Dinamarca era determinante para não depender de ninguém e passar à fase seguinte.
A vitória começou a desenhar-se logo desde o inicio, no qual as jogadoras lusas fizeram um 1º periodo quase perfeito, (21-3), Mafalda Barros com 3 triplos ajuda a criar o fosso entre as duas equipas, e de nada servia um desconto de tempo pedido pelo treinador Dinamarquês com 3.30 para jogar afim de rectificar os 9 turn-overs provocados por Portugal até ali. Manter a diferença e não relaxar era fundamental, embora se esperasse uma natural reacção dinamarquesa, para minimizar o estrago inicial.
O segundo periodo a Dinamarca melhorou em termos defensivos, Portugal começava a acusar algum desacerto na hora da finalização e o intervalo chega com a vantagem do 1º periodo depois de um segundo parcial (8-9), a 30-12.
Na segunda parte o dominio luso manteve-se com a liderança da base Inês Viana com um jogo fantástico marcando 18 pontos e 5 ressaltos sendo MVP do jogo, impunha mais um parcial no 3º periodo de (15-6), a diferença disparava para para 26 pontos, e a Dinamarca não tinha argumentos para minimizar o estrago.
No último periodo, Portugal geriu a vantagem com uma participação de todas as jogadoras disponivéis, a liderança em todos os indices estatisticos do jogo eram evidente tais como 45 ressaltos conquistados por Portugal contra 36 da Dinamarca, nos lançamentos de 2 pontos 14 marcados em 37 tentados enquanto do lado dinamarquês, apenas 6 em 30. Nos lançamentos de 3 pontos Portugal marcou 6 em 28 tentativas contra apenas 2 marcados em 11 tentativas.
Com o resultado final de (51-28), Portugal já está nos quartos de Final do Europeu.

A par de Inês Viana MVP, Mafalda Barros com 11 pontos e 5 ressaltos esteve em bom plano assim como Raquel Jamanca com 12 ressaltos conquistados foi a melhor ressaltadora do jogo. Do lado da Dinamarca a menos má foi Hoieier com 6 pontos e 9 ressaltos.
Portugal sobe assim para 2º lugar no grupo com 3 vitórias e 2 derrotas, liderado pela Hungria sem derrotas. o adversário que se poderá cruzar com Portugal poderá ser Israel.
Assim Portugal está apurado para o grupo dos oito finalistas. Daqui para a frente, é obrigatório sonhar.

Parciais:
21-3 7-8 15-6 8-9


PORTUGAL 51

Ines Viana 18; Joana Canastra; Leonor Cruz 6; Laura Ferreira 3; Carolina Anacleto; Nádia Fernandes; Helena da Costa; Joana Soeiro 5; Josephine Filipe; Letícia Fonseca 8; Mafalda Barros 11; Raquel Jamanca.


DINAMARCA 26

Tine Randrup-Thomsen; Sofie Preetzmann 6; Natascha Hartvich 3; Julie Hoeier 6; Sophie Kjems-Krognos 3; Marian Sheikh; Maria Jespersen; Laerke Lyhne 1; Laura Jensen 2; Safia Sheikh 2; Anne Jorgensen; Tanja Laursen 3.

Resultados de Hoje:

Eslovénia 62 Bulgaria 70

Letónia 67 Hungria 49

17/08/2010

Portugal vence a Letónia e está a um passo do Grupo dos Finalistas

As jogadoras Sub-16 sabiam da importância deste jogo, e marcar uma diferença desde o inicio seria fundamental. O jogo começa com uma irreverente Joana Canastra com 10 pontos nos primeiros 8 minutos, surpreendia tudo e todos, especialamente a equipa da Letónia, que tentava alterar o rumo inicial do jogo através de trocas das suas jogadoras, afim de minimizar o estrago inicial no marcador favoravel a Portugal. A Letónia encontrou-se finalmente no jogo e equilibra a contenda chegando ao final do 1º quarto a perder (12-9), muito á custa da eficácia na linha de lance livre.
Estava aberto o jogo e o 2º periodo é jogado numa toada equilibrada, Portugal cometia muitos turn-overs, o que reduzia a sua produção ofensiva.
Aos poucos Portugal estabilizava o seu jogo, e a reentrada de Joana Canastra dava mais consistência ao ataque Português, e a 3.10 para o intervalo a vantagem aumenta para 10 pontos (23-13), mas a Letónia teimava em não deixar fugir o resultado e reduz com um parcial de (0-6), Joana tentava 2 triplos e Mafalda Barros outro sem sucesso, a Letónia voltava ao jogo chegando ao intervalo com 5 pontos de desvantagem. (23-18).
Na segunda metade Portugal aumentou o ritmo do jogo estendeu a defesa, quase asfixiou a Letónia, que apenas marcou 4 pontos e somando mais turn-overs, enquanto Portugal marcava 10 pontos, que dava uma boa vantagem para a entrada do derradeiro periodo.
A Letónia volta a recomeçar melhor com 4 pontos seguidos, mas Portugal não perdeu o norte, e desde logo respondeu mantendo o jogo a 9 pontos, faltavam 7,45 para jogar.
As faltas abrevadas a Portugal, condicionava algumas jogadoras, já que Inês, Jamanca, e Leonor ja tinham 4 faltas, e Joana Canastra com 3, o que explicava um maior ascendente da Letónia com 18 pontos no último quarto, tantos como na 1ª parte toda.
Contra isso, todas as jogadoras estavam preparadas para reentrar no jogo e segurar a vantagem até ao final, e depois de algumas rotações Portugal com 3.30 para jogar, tinha 6 pontos de vantagem, e não queria repetir o fantasma vivido no dia anterior, quando contra a Eslovénia, não marcou mais pontos. A lição estava bem estudada e acaba vencedor frente a uma Letónia que não conseguiu ter argumentos para contrariar a equipa lusa.
O jogo termina com a vitória lusa por 11 pontos de vantagem (51-40).
Joana Canastra MVP do jogo foi enorme, "the women of the mach", ao conseguir 18 pontos, 10 ressaltos e 2 assistencias, bem ajudada por Leticia com 9 pontos, do lado letão, Ruta Veidere foi a melhor com 9 pontos marcados.
Portugal em termos estatisticos só perdeu nos ressaltos 40-49, mas foi melhor nas percentagens de lançamento do que a Letónia.
Portugal coloca-se numa boa posição para atingir um lugar que dará acesso ao grupo dos 8 finalistas do Europeu. Amanhã se vencer a Dinamarca garante esse lugar no grupo, quaisquer que sejam os resultados das outras equipas.
Votos de bom trabalho.

Parciais:
12-9; 11-9; 10-4; 18-18

PORTUGAL 51

Ines Viana 6; Joana Canastra 18; Leonor Cruz 2; Laura Ferreira 6; Carolina Anacleto; Nádia Fernandes 2; Helena da Costa; Joana Soeiro; Josephine Filipe; Letícia Fonseca 9; Mafalda Barros 2; Raquel Jamanca 6.

LETÓNIA 40

Ilze Jakobsone; Ruta Veidere 9; Elina Berzina; Asnate Fomina; Renate Reine 8; Krista Bridina 5; Kate Aizsila 6; Ance Aizsila 5; Paula Langina 2; Ruta Vetra; Evita Zondaka 3; Paila Tomsonse 2.

16/08/2010

Sub-16 Portugal perde com a Eslovénia

Os ultimos três minutos foram fatais para as aspirações da equipa lusa, que depois de ter iniciado o jogo de uma forma exemplar dominando a 1ª parte 26-30, e mais o 3º periodo, mas no quarto periodo a jovem equipa de Portugal não conseguiu manter a eficácia que desse para chegar ao final dos 40 minutos em vantagem.
Esta é a factura que se paga de uma preparação para um Europeu não ser composta com muitos jogos internacionais, obrigando as jovens jogadoras a vivências competitivas, que só nestas fases Europeias se podem encontrar.
A Eslovénia teve o mérito de conseguir sempre lutar atrás do marcador mas acreditou que até ao final poderia e com sucesso ganhar o jogo. Portugal num jogo quase perfeito em termos defensivos provocou 24 turn-overs á equipa Eslovena contra 19 de Portugal.
Um triplo de Mafalda Barros a 3.30 minutos do final, (49-52) era o ultimo lançamento convertido que a nossa equipa faria, e a ultima vez que Portugal esteva na frente, já que desde turn-overs, a lançamentos perto do cesto, a bola teimava em não entrar, e a ansiedade e o nervoso miudinho tomava conta das nossas jogadoras, a ver a Eslovénia passar para a frente, sem conseguir transformar todo o empenho defensivo, traduzido em pontos no ataque.
No final a diferença apresentada em percentagens de lançamentos de dois pontos, é muito favorável à Eslovénia, 52% contra 36% de Portugal.

Na Eslovénia Aline Gjerkes foi a melhor com 18 pontos, na equipa lusa Mafalda Barros com 14 pontos, 4 triplos marcados em 12 tentados, bem ajudada por Inês Viana que facturou 12 pontos.


Amanhã Portugal defronta a Letónia que perdeu hoje com a Bulgária (49-43).



Parciais:

16-19, 10-11, 13-11, 16-11

PORTUGAL 52

Ines Viana 12; Joana Canastra 7; Leonor Cruz 2; Laura Ferreira; Carolina Anacleto 1; Nádia Fernandes 4; Helena da Costa; Joana Soeiro; Josephine Filipe 4; Letícia Fonseca 2; Mafalda Barros 14; Raquel Jamanca 6.

ESLOVÉNIA 55

Sara Meden; Ivana Tusek; Anja Rozman 7; Anita Kastelic 5; Alina Gjerkes 18; Jelica Petrovic; Nina Gabrovsek 10; Klara Zupancic 5; Alma Salkic; Tjasa Brisnik; Ziva Macura 10; Maja Bosnjak.

Suécia vence Portugal 68-54

A Suécia confirmou ser a melhor equipa do grupo, ao ganhar todos os jogos até aqui disputados. Hoje Portugal sentiu muitas dificuldades em minimizar o colectivo sueco. Contrariar a maior eficácia nos lançamentos de 2 pontos, não foi tarefa fácil, e essa produção Sueca foi determinante no desfecho do jogo.

Portugal entrou a discutir o jogo desde o inicio, a Suécia mais experiente nestas andanças iniciou logo no 1º periodo a liderança no marcador, sempre com Portugal por perto. Com 17-13 á entrada do 2º periodo, a Suécia volta a começar melhor e com 6 minutos para jogar no 1º tempo a Suécia foge para 9 pontos, Halvarson jogadora interior começava a criar alguma mossa na área pintada, e o duelo entre Muxiri e Kadjidja começava a ser muito interessante.
Aos poucos a Suécia dominava o jogo e termina a 1ª parte com 42-30. Para Portugal havia coisas a rectificar para a 2ª parte, porque os 42 pontos sifridos eram em demasia, e esse valor tinha de baixar, o que foi conseguido.
A melhor fase da equipa lusa foi mesmo o 3º periodo quando de uma forma fantástica recuperam a diferença, voltando á discução do resultado, quando a Suécia não se encontrava no jogo, e mostrava muitas dificuldades em se adaptar á zona de Portugal.
O mais dificil estava feito e á entrada do ultimo periodo com (51-48), Portugal voltava a acreditar que a vitória lhes podia sorrir.
O intervalo do periodo foi o pior que nos podia ter acontecido, já que a Suécia volta a aumentar a diferença, e Portugal só sai dos 48 pontos a 5 minutos e 20 segundos para jogar com 2 pontos de Sónia Reis.
A produção ofensiva precisava dos lançamentos do perimetro, que teimavam em não entrar, e a Suécia mais confortável geria o jogo a seu belo prazer até ao final vencendo com uma vantagem de 14 pontos (68-54).
Sónia Reis como já nos habitou somou 20 pontos com mais 10 de Paula Muxiri,e 9 de Carla Nascimento, do lado Sueco Louice Halvarson com 19 pontos e 7 ressaltos, Kadjidja Andersson com 16, e Elizabeth Egnell com 15 foram as melhores, duma Suécia com muitas soluções, e ainda privada da irmã Frida Eldbrink que também somou 13 pontos.

Em termos estatísticos a Suécia foi melhor nos ressaltos 39 contra 32 de Portugal, em que 12 foram ofensivos, nos lançamentos de 2 pontos 67% da Suécia, contra 34% de Portugal, era a grande diferença do jogo, já que a defesa lusa provocou 23 turn-overs á Suécia, contra 19 de Portugal.

Parciais:
17-13, 25-17, 9-18, 17-6.

SUÉCIA 68

Josefin Olheim; Johanna Källman; Frida Eldebrink 13; Agnes Nordström;Ann Kadidja Andersson 16; Martina Staalvant 2; Elisabeth Egnell 15; Frida Aili 2; Stefanie Yderström; Danielle Hamilton;Louice Halvarsson 19;Jenny Lidgren 1.

PORTUGAL 54

Joana Bernardeco 5; Celia Simões 5; Sónia Reis 20; Ana Oliveira 2; Tamara Milovac; Joana Fogaça; Paula Muxiri 10; Sara Filipe 1; Carla Nascimento 9; Ana Sousa 2; Larisse Lima.

No outro jogo do Grupo a Eslovénia fez o que lhe competia, ao vencer na Noruega por (61-81).
Portugal termina assim a 1ª ronda do Grupo A de apuramento em 3º Lugar com 1 vitória e 2 derrotas, tendo a vantagem de jogar para o ano com a Eslovénia e a Suécia, em nossa casa, e até lá se irá trabalhar para que o apuramento seja possivél.

A comitiva portuguesa regressa amanhã a Portugal para um merecido periodo de descanso, já que a época está á porta, para regresso ao trabalho nos diversos clubes. A todos pelo trabalho desenvolvido na defesa das nossas cores, muitos parabéns.

14/08/2010

Sub-16 Portugal perde contra a Hungria e é 2ª no Grupo A

A Hungria tinha dado indicadores de ser a melhor equipa do grupo, e registe-se a vitória frente á Suiça por 40 pontos de diferença e contra a Bulgária por 20. Por isso a tarefa para a nossa equipa não se assegurava nada fácil, embora se discutisse o 1º lugar no grupo, já que a passagem á fase dos primeiros estava assegurada.

O jogo iniciou-se equilibrado, e num primeiro parcial Portugal perdia apenas por 1 ponto, que seria uma constante no jogo. O segundo periodo continua equilibrado e a 3 minutos do final da 1ª parte Portugal teve o seu pior momento ao permitir uma parcial de 3 pontos contra 7 da Hungria, o que dava uma vantagem ligeira á Hungria ao intervalo (28-33). A 2ª parte teve mais um inicio favorávél à Hungria, que consegue aumentar a vantagem que chegou a ser de 12 pontos, acabando o periodo (39-53), favoravel à Hungria, muito por culpa da sua eficácia das nos triplos 4 em 7 tentativas.
Portugal não tinha acabado a tarefa e era altura de dar tudo por tudo para voltar a discutir o jogo, e um triplo de Joana Canastra e outro de Mafalda Barros deu o mote para a recuperação, baralhando as contas da Hungria, e a faltar 4 minuitos para o final do jogo Portugal perdia por 2 pontos 55-57, e o mais dificil estava feito.
A partir dali a Hungria passava por muitas dificuldades, e Portugal nao conseguiu concretizar 6 lançamentos que criou, 2 deles de 3 pontos, os quais com melhor eficacia passava a dominar o jogo.

Como diz o velho ditado, "quem não marca, sofre", e a Hungria rectificava as coisas e voltava a marcar 5 pontos sucessivos que conseguie gerir até ao final conquistando a vitória, contra uma equipa cheia de alma e concerteza que não quer voltar a defrontar.

Nos items estatísticos, em lançamentos de 3 pontos 4 em 7 para a Hungria, contra 6 em 32 tentandos de Portugal, já nos ressaltos a selecção lusa conquista os mesmos ressaltos da Hungria (41), mas além de conquistar 14 ofensivos, permitimos 10 ofensivos para a Hungria.

Portugal foi também mais penalizado nas faltas, 20 contra 11 da Hungria. Apenas fomos 5 vezes aos Lances Livres marcando 1 em 5 tentados, enquanto a Hungria converte 11 em 25, o que atesta a diferença no citério e na quantidade das faltas abrevadas.
Inês Viana com 10 pontos e 7 assistencias foi a melhor juntamente com Joana Canastra com 10 pontos também. A MVP do jogo foi Regina Pap da Hungria com 17 pontos e 10 ressaltos

Portugal faz assim um bom jogo, e embora perdendo, consegue tirar uma boa experiência para as jogadoras no futuro.
O objectivo do apuramento para o grupo dos primeiros estava já garantido, e a nossa selecção tem amanhã um dia de merecido descanso, voltando à luta na próxima segunda feira.

PORTUGAL 57

Ines Viana 10; Joana Canastra 10; Leonor Cruz 4; Laura Ferreira 2; Carolina Anacleto 3; Nádia Fernandes 2; Helena da Costa 2; Joana Soeiro 3; Josephine Filipe 2; Letícia Fonseca 6; Mafalda Barros 5; Raquel Jamanca 8.


HUNGRIA 63

Dorottya Balla; Fanni Szabó 13; Flóra Hoffmann; Julianna Karlócai 2; Agnes Simon; Fanni Csutorás; Szonja Vukov 6; Regina Pap 17; Janka Hegedüs 8; Dóra Lakatos; Diána Miháczi 9; Amadea Szamosi 8.
Foto: Márcio Grave

13/08/2010

Sub-16 vence a Suiça e garante grupo dos melhores

Portugal garantiu de uma forma exemplar o apuramento para o grupo dos primeiros para a 2ª fase do Europeu. Mesmo a faltar o jogo contra a Hungria, esse apuramento já está garantido, faltando conhecer depois o emparelhamento.
Um grande exemplo de trabalho,competência e dedicação, e a partir daqui o céu é o limite.

No jogo contra a Suiça, independentemente da Suiça ter perdido no dia anterior, e por uma margem muito grande, 40 pontos de diferença, Portugal demorou a adaptar-se, e nos primeiros 3,30 de jogo, o resultado estava empatado a 2 pontos.
A partir daí Portugal aumenta a pressão e provoca à Suiça 9 turn-overs, e Raquel Jamanca, Carolina, e Nadia, começam a produzir pontos e a pouco e pouco Portugal começa a ganhar alguma vantagem e o 1º quarto termina 19-8 favorávél às nossas cores. No 2º periodo Portugal continuou a dominar nalguns aspectos, tinha mais posses de bola graças ao dominio do ressalto ofensivo, aos poucos as entradas eram sucessivas e Portugal já com as 12 jogadoras utilizadas, desgastava a Suiça, e o segundo periodo termina com uma vantagem de 14 pontos (35-21).

Na 2ª metade Portugal continua dominador e a distância aos poucos vai aumentando, a suiça continuava a ter muitas dificuldades face ao ritmo imposto pelo seleccionado luso. O dominio nos ressaltos foi determinante com 49 no total, em que 29 dos quais ofensivos contra 42 da Suiça.
O jogo termina com uma vitória lusa por uns expressivos 54-34, e Portugal apura para o grupo dos primeiros do Europeu, mesmo faltando um jogo contra a Hungria, que jogava a seguir contra a Bulgária.
Num execelente exemplo de gestão de recursos face aos confrontos que ainda faltam neste Europeu, todas as jogadoras tiveram utilização com mais de 10 minutos e menos de 30 para as mais utilizadas. Ana Neves tem a noção do potencial da sua equipa, e das dificiências, e por isso podemos ir longe, esta equipa já é a melhor defesa do Europeu.

Mafalda Barros foi a melhor com 10 pontos marcados e 5 ressaltos, seguido de Nadia Fernandes com 9 pontos. Rqaquel Jamanca voltou a dominar a luta dos ressaltos com 10 no total.
Da parte da Suiça Melanie Roth com 10 pontos foi a melhor acompanhada por Alessia Ghiringhelli com 10 ressaltos.

PORTUGAL 54

Ines Viana 3; Joana Canastra 4; Leonor Cruz; Laura Ferreira; Carolina Anacleto 4; Nádia Fernandes 9; Helena da Costa 2; Joana Soeiro 2; Josephine Filipe 4; Letícia Fonseca 7; Mafalda Barros 10; Raquel Jamanca 5.

SUIÇA 34

Ljubica Cutunic 4; Miryam Sohm 4; Alexandra Koch 6; Tiffanie Zali 2; Veronika Sakica; Melanie Roth 10; Vivian Manenti; Laura Perrenoud; Tamara Détraz 4; Géraldine Mentha; Alessia Ghiringhelli 4; Valery Vangen.


Fotos: Carla Nunes

12/08/2010

Sub-16 Estreia a ganhar frente à Bulgária no Europeu


Depois do merecido descanso após uma viagem complicada, a Selecção tinha a sua estreia hoje no Europeu de Skopja, e como já se esperava a ansiedade tomou conta das jogadoras, e o jogo começa com 2 minutos sem marcar qualquer ponto, e o marcador é inaugurado por Inês Viana na linha de lance livre com (0-1), de imediato a resposta bulgara com um lançamento convertido de 2 pontos.
Equilibrio no jogo com varios momentos interessantes mas de pouca eficacia, Portugal chega ao final do 1º quarto a perder (10-8), já depois de Ana Neves ter pedido um desconto de tempo na tentativa de serenar as suas jogadoras.
Inicio do 2º periodo de grande qualidade, imprimeindo um ritmo elevado e uma defesa agressiva, Portugal consegue um parcial de (4-14), nos primeiros 5 minutos do periodo, muito por culpa de Mafalda Barros endiabrada até ali a facturar 14 pontos.
A Bulgaria tentava mudar o rumo das coisas através da troca de algumas jogadoras afim de recuperar a desvantagem,Portugal mantém o ritmo e faz com que a Bulgaria cometa 19 turn-overs, e no final da 1ª parte, Portugal tinha uma vantagem de 9 pontos (21-30).

Na 2ª parte Portugal manteve a diferença no marcador, a Bulgária cometia menos erros, mas o ataque luso ganhava alguma consistência, o terceiro periodo termina com uma vantagem de 13 pontos favoravel a Portugal que via Leonor Cruz excluida com a 5ª falta.
Com (34-47) à entrada do derradeiro periodo, Portugal tinha condições para embalar para a 1ª vitória, mas o jogo estava longe de estar decidido, as percentagens de lançamento eram baixas, mas a luta continuava.
A extremo Radostina Dimitrova com 12 pontos e 9 ressaltos, era a mais produtiva da Búlgaria até então, mas a diferença mantinha-se muito por culpa das acções de Inês Viana que obriga o treinador Bulgaro a parar novamente o jogo com 5 minutos para jogar com 10 pontos para Portugal (44-54).
Após o timeout da Bulgária, Leonor marca um triplo e Joana Canastra um duplo e aumenta a vantagem para 14 pontos (44-59), com 3,40 para jogar.
Gerir a vantagem era fundamental, e as pequenas Sub-16 vencem com todo o mérito o 1º jogo do Europeu por (48-61).
Leonor Cruz com 14 pontos e Inês Viana com 12 pontos e 6 ressaltos foram as melhores com uma grande prestação de Raquel Jamanca com 10 ressaltos e 5 pontos marcados. Na Bulgaria Radostina Dimitrova foi a melhor com 12 pontos e 9 ressaltos. Portugal provocou 35 Turn-overs à Bulgária contra 21, o que demonstra grande capacidade defensivo, compensando a baixa percentagem de lançamento, curiosamente igual de 2 e de 3 pontos 26.9% contra 33.3% da Bulgária.

No outro jogo do grupo, o adversário de amanhã de Portugal, a Suiça perdeu com a Hungria por 44-84.


Parabéns a toda a equipa.

BULGÁRIA 48

Zlatina Dimitrova; Dayana Tsekova; Iva Kostova 6; Lilia Georgieva; Gabriela Angelova 4; Borislava Hristova 6; Radostina Dimitrova 12; Silviya Koleva; Ester Micheva 4; Mariya Andonova 7; Veronika Petkova 9; Gabriela Kostova.

PORTUGAL 61

Ines Viana 12;Joana Canastra 8;Leonor Cruz 3;Laura Ferreira 4; Carolina Anacleto 6; Nádia Fernandes 2; Helena da Costa;Joana Soeiro 6; Josephine Filipe; Letícia Fonseca 1;Mafalda Barros 14; Raquel Jamanca 5.

AD Vagos contrata norte-americana Chineze Nwagbo

O AD Vagos garantiu a contratação da jogadora interior CHINEZE UZO AMAKA NWAGBO.
Chineze foi contratada pelo Vagos para a próxima época, para preencher a vaga deixada por Clarissa dos Santos, que transitou para o Catanduva de S. Paulo.
Chineze Nwangbo formou-se na Universidade de Syracuse, da NCCA I, e tem 27 anos, 1.83.
É uma jogadora que actua na posição 5, e jogou nas últimas 5 épocas na Liga Feminina 2 de Espanha.

Na última época (2009/2010), jogou na equipa do Pio XII, e foi colega de equipa de Sofia Ramalho, onde realizou na Fase regular em 28 jogos, com os seguintes numeros:
Pontos, 13,8 de média; 8,7 ressaltos, e 18,39 de valorização MVP.
Chiny como é conhecida, juntamente com o extremo Brasileira de 1.84 Lilian Lopes, serão a dupla de estrangeiras escolhidas para a jogar nas Competições em que a equipa está envolvida para a próxima época.

11/08/2010

Liga conhece Calendário do Campeonato 2010/2011

No sorteio realizado ontem na Sede da Federação de Basquetebol, ficaram conhecidos os emparelhamentos para os jogos da Liga Feminina 2010/2011.
Com inicio do Campeonato agendado para 16 e 17 de Outubro, a Liga Feminina começa logo com uma dupla jornada com o Boa Viagem e o Micaelense a receberem nos seus recintos, o Campeão AD Vagos e o Olivais respectivamente.
Na Madeira, o Cab e o União serão também visitados pelo GDESSA/Barreiro e o Algés, respectivamente.
A este cenário os jogos no primeiro fim de semana das jornadas 1 e 2, no continente, o Quinta dos Lombos será visitado pelo Barcelos e Académico, enquanto de forma inversa os mesmos visitantes, também defrontam o Torres Novas.

1ª Jornada a 16/10/2010
Boa Viagem x AD Vagos
U. Micaelense x Olivais Coimbra
União da Madeira x Algés
CAB Madeira x GDESSA Barreiro
Quinta dos Lombos x Barcelos-Mendanha Sousa
Torres Novas x Académico FC

2ª Jornada a 17/10/2010

BoaViagem x Olivais Coimbra
U. Micaelense X AD Vagos
União da Madeira X GDESSA Barreiro
CAB Madeira X Algés
Quinta dos Lombos x Académico FC
Torres Novas x Barcelos-Mendanha Sousa

10/08/2010

As "Canucas" partem para o Europeu

Carolina-Anacleto-Helena-Costa-Inês-Viana-Joana-Canastra-Joana-Soeiro-Josephine-Filipe-Laura-Ferreira-Leonor-Cruz -Letícia-Fonseca-Mafalda-Barros-Nádia-Fernandes-Raquel-Jamanca
A Selecção Nacional depois de um estágio prolongado em Sangalhos e Anadia, partiram hoje com destino a Skopja capital da Macedónia, local "habitué", nestas coisas de realização de Europeus "Sub".
A comitiva liderada pelas Treinadoras Ana Neves e Cristina Viegas, sairam de manhã cedo em viagem de autocarro para o Aeroporto Francisco Sá Carneiro, saíndo do Porto com destino a Skopja, com escala em Madrid e Sófia. Na capital da Macedónia a temperatura ronda os 35º, com muita humidade, mais de 42%, condições que nos ultimos dias eram próximas das nossas condições no treino.
Depois de uma fase de árduo trabalho, as jogadoras portuguesas partiram com muita ilusão, onde muitas pela primeira vez na vida, estão a viver uma experiência unica, e vão concerteza dar o máximo para conquistar vitórias.


O senão nestas coisas, são sempre a grande falta de jogos internacionais de preparação para as nossas selecções jovens, com Torneios que visem o confronto com selecções potencialmente até mais fortes. A selecção Sub-16 não foge à regra, e tirando dois jogos com a Estónia e a Selecção Sub-18, é demasiado pouco para quem vai confrontar jogadoras a estrearem-se nestas andanças.
Somos dos países que nos apresentamos nos Europeus com menos jogos internacionais, antes das fases competitivas.
Com tudo isto, fica sempre a sensação de que se fez o possivel na preparação das equipas, e não o que era fundamental e necessário. Reflexos da crise talvez.
É urgente melhorar as condições de preparação das equipas Nacionais, e possibilitar e promover mais jogos Internacionais.
O Campeonato da Europa Divisão B, esta dividido em 4 grupos de 4 equipas. A selecção Sub-16 está englobada no grupo A, juntamente com a Selecção da Bulgária, Suiça e Hungria. Portugal começa depois de amanhã estreando-se com a Bulgária às 16.00 Horas.


Boa sorte e bom trabalho.

Sel. Sénior - Portugal perde na Eslovénia

Portugal sabia bem da valia do adversário, o qual vinha de uma 1ª derrota no final de semana frente à Suécia, e jogava em casa uma opurtunidade de rectificar esse desaire, frente a uma selecção lusa ansiosa, mas ciente das dificuldades, e sobretudo confiante pela excelente vitória no sábado passado frente à Noruega, e por numeros bem expressivos.
O jogo iniciou-se equilibrado, embora os primeiros quatro pontos da partida pertencessem à equipa da casa, Carla Nascimento com um triplo, mostrava que estavamos na luta. A partir daí e até ao final do 1º Periodo Portugal não deixou fugir nunca a Eslovénia e termina o 1º parcial a 2 pontos (14-12).
O segundo quarto mostrava Sónia Reis em grande plano, e a Eslovénia não tinha argumentos para a parar 16 pontos e 6 ressaltos até ali, era a melhor da partida. O intervalo chegava com 34-29 favorável à Eslovénia. Portugal tinha sofrido 3 triplos em 5 tentados da Eslovénia, e apenas tinha marcado 1 em 6 tentativas. Nos ressaltos conquistámos 8 ressaltos ofensivos que era um excelente indicador, faltava agora traduzir isso em segundos ataques com eficácia.
No reatamento da partida a Eslovénia volta a iniciar melhor, embora a resposta lusa não se fez demorar, reduzir a distância era o objectivo, e Sonia Reis precisava de uma maior eficácia das suas colegas, do lado Esloveno Sandra Pirsic com os seus 1.97, criava mossa na defesa portuguesa, já com 7 ressaltos e 14 pontos até ali. Portugal não desarma e a continuar com um ritmo forte consegue reduzir a desvantagem para 4 pontos no final do 3º Periodo (45-41).
O jogo estava aberto e Portugal com muito sacrificio lutava até á exaustão para passar para a frente no marcador, e com (52-49), a 6 miniuutos do final. assiste-se a um periodo de menor acerto por parte das duas equipas. A Eslovénia pára o jogo e a 4.45 para jogar Ana Oliveira com um triplo coloca o jogo a 1 ponto, Panic da Eslóvénia responde da mesma forma seguido de um duplo de Carla Nascimento, o jogo estava impróprio para cardiacos,e a 2.58 Sónia Reis coloca pela 1ª vez Portugal na frente do marcador com 2.33 para jogar (56-57). A Eslovénia responde e um empate a 58 pontos, Ricardo Vasconcelos pede um desconto de tempo a 2,13 para jogar. No ataque Sónia Reis não marca e do outro lado o ataque era mais feliz, Ana Oliveira marca um segundo triplo para (63-60), mas a Eslovénia não arreava e gere a minima vantagem, aproveitando todas as oportunidades, o jogo termina (67-63).
Em termos globais no total de lançamentos, a Eslovénia foi melhor com 50% contra 37.5 do lado português.
Sónia Reis foi grande ao marcar 31 pontos e capturar 9 ressaltos, do lado Esloveno Sandra Pirsic com 18 pontos e 10 ressaltos foi a melhor.
Portugal acaba por realizar um grande jogo, o que relança as expectativas para o próximo domingo 15/08 na Suécia às 16.00 Horas.
Parabéns a toda a equipa e bom trabalho.


ESLOVÉNIA 67

Maja Erkic 8; Natasa Radulovic 5; Sasa Panic 5; Katja Temnik 4; Martina Dover 3; Eva Komplet 7; Teja Oblak 8; Tina Trebec 9; Lea Jagodic; Kristina Pavli; Katarina Ilijev; Sandra Pirsic 18.


PORTUGAL 63

Joana Bernardeco; Celia Simões 1; Sónia Reis 31; Ana Oliveira 6; Tamara Milovac 2; Joana Fogaça 4; Paula Muxiri 6; Sara Filipe 2; Carla Nascimento 11; Ana Sousa; Larisse Lima.

Sub-18 vencem Israel e conquistam um modesto 11º lugar

Foi desastroso em termos defensivos a entrada no jogo que decidia o 11º,12º lugar do Europeu. Terminar o 1º periodo com 24 pontos sofridos contra 15 marcados, não seria aquilo que se prespectivava para o jogo, logo o segundo periodo tudo foi diferente e Portugal muito mais agrassivo criava problemas ás acções ofensivas da equipa Isrealita e apenas permite 12 pontos, marcando 23.
Com uma vantagem de apenas 2 pontos para o intervalo, o resto do jogo prespectivava-se equilibrado, e POrtugal volta a entrar bem e ganha alguma vantagem no jogo e obriga novamente a Israel marcar apenas 2 pontos em 5 minutos, Israel depois de um desconto de tempo reagiu e consegui recuperar alguns pontos e voltar ao jogo, e à entrada do 4º periodo havia 52-48 favoravel ás nossas cores.
No derradeiro periodo Portugal nunca deixou esfumar a vantagem antes pelo contrário foi aos poucos aumentando, e a 2,37 do final um triplo de Filipa coloca o resultado a 14 pontos de diferença 69-55, vantagem que até ao final só era necessário gerir.
Daniela Domingues foi a mais produtiva com 18 pontos, assim como Karen Mozes da parte de Israel também com 18 pontos.
Portugal termina assim o Europeu num modesto 11º lugar, face às expectativas que se criaram antes da prova, e a derrota com a Suiça na 1ª fase foi o balde de água fria, que deitou por terra o facto de se jogar para o grupo dos primeiros.
Pró ano há mais.

Parciais:
15-24, 23-12, 14-12, 26-23


PORTUGAL 78

Daniela Domingues 18; Victória Pacheco 6; Vania Torres de Sousa; Paula Couto; Filipa Bernardeco 7; Ines Pinto 2; Jessica Almeida 13; Luzia Lampreia 16; Joana Jesus 2; Susana Cardoso; Maria Andrade 14.

ISRAEL 71

Yael Shafir 17; Michal Gilat; Sapir Tirosh 9; Adva Krupik; Hadas Shaham; Shany Zer Aviv; Daniel Hagag 8; Inbar Lev Ron 1; Amit Gur; Keren Mozes 18; Elite Cohen 11; Chen Weisbort 7.

Classificação Final
1. Roménia
2. Holanda
3. Grécia
4. Bielorussia
5. Croacia
6. Dinamarca
7. Finlandia
8. Inglaterra
9. Alemanha
10. Montenegro
11. Portugal
12. Israel
13. Estonia
14. Suiça
15. Bulgaria
16. Bosnia Herzegovina
17. Luxemburgo
18. Escócia

08/08/2010

Selecção Sénior vence a Noruega

Portugal não podia ter melhor estreia do que uma vitória por larga margem frente à Noruega, que depois do intervalo, foi asfixiada pela defesa lusa.
Por incrivél que pareça, não apetecia nada sair do fresco Pavilhão Multidesportos de Coimbra; uma boa assistência para a estreia da Selecção Portuguesa nesta corrida à Divisão A, mas que só teve hoje a 1ª etapa.
Portugal acusando alguma ansiedade, falhando alguns lançamentos criados, e precisava que o jogo fosse avançando para se ir adaptando às coisas que a Noruega fazia.
Através de uma defesa individual, com trocas em todos os bloqueios, a Noruega tentava disfarçar algumas lacunas patentes no seio da equipa, já que não apresentava ninguém de grande estatura na area pintada, e no ataque resolvia com transções rápidas para o ataque procurando as jogadoras mais livres, muitas vezes por distração das nossas jogadoras, ou más recuperações ataque/defesa.
Sónia começava a dominar a tabela defensiva (13 ressaltos no total), e no fim do 1º periodo, Portugal ganhava por (15-10).
No 2º periodo, as rotações da parte de Portugal era sucessivas, numa intenção de fazer chegar todas as jogadoras ao jogo, e na tentativa de manter o ritmo alto, e a pressão defensiva continuasse, afim de baralhar as transições para o ataque da Noruega, que por vezes até o poste servia momentaneamente de base.
Com tudo isto o segundo parcial, dava uma margem curta ao intervalo de 6 pontos (26-20), com Ana Johansen a marcar um triplo a 2,15 do final.
O intervalo vinha mesmo a calhar, de forma a se conseguir ajustar coisas da defesa em função das acções ofensivas da Noruega. e abrir a 2ª metade com um triplo de Carla Nascimento, era o mote para se arrancar para uma vitória categórica.
A pressão aumenta todo campo, e o desgaste da Noruega começa a ser evidente, sucedendo-se alguns turn-overs, Portugal aumentava a vantagem e respirava saúde e a confiança aumentava.
A necessidade de mudar o rumo do jogo, o Seleccionado Norueguês após mais um minuto de desconto, vem defender zona, embora serenas as portuguesas, não se assustaram e depois de ajustar o timmings dos passes contra a zona e procurar os espaços, seleccionava bons lançamentos, aparecendo Célia Simões em grande plano, quer a defender quer a atacar 3triplos em 4 tentados; e assim a vantagem aumentava.
O 4º periodo a Noruega rendia-se á supremacia lusa, e o seu treinador proporciona ás suas jogadoras todas minutos de jogo, que provoca uma produção ofensiva de apenas 4 pontos.
O jogo termina e portugal vence com uma grande diferença pontual (69-35).
Célia Simões, e Ana Oliveira foram fantásticas, nas tarefas defensivas, Sónia (21) e Paula (18), as melhores marcadoras.


No outro jogo do Grupo A a Suécia recebeu e venceu a Eslovénia por (78-61).

PORTUGAL 69

Joana Bernardeco; Celia Simões 9; Sónia Reis 21; Ana Oliveira 4; Tamara Milovac 2; Joana Fogaça; Paula Muxiri 18; Sara Filipe 8; Carla Nascimento 5; Ana Sousa 2; Larisse Lima.

NORUEGA 35

Hege Blikra; Anette Johansen 14; Katrine Fjarestad; Mia Dorota Spasowska 7;
Emilie Ann; Allin Ravn; Sigrid Skorpen; Tina Moen 2; Torunn Ytrehus; Tori Solberg Halvorsen 5; Maren Austgulen; Nanna Sand 4; Kristina Tattersdill 3.




A Selecção viaja já esta madrugada para Luibliana na Eslovénia para jogar 3ª feira dia 10 às 16.00 Horas.

Sub-18 perde e vai disputar o 11º lugar

Portugal mediu forças com a Alemanha, e depois de conseguir 3 periodos estar no jogo, e a discutir o resultado de igual para igual, já a história do 4º periodo não foi a mesma.
a Alemanha mais forte fisicamente foi criando moça ao seleccionado português e tirou grande vantagem na hora da decisão do jogo, do lado germânico uma menina poste com o seu 1.90, Sonja Greinacher,foi uma dor de cabeça para Portugal e esteve muito eficaz, marcando 16 pontos e capturando 10 ressaltos sendo 5 deles ofensivos.
Depois de uma 1ª parte com bastante equilibrio, o resultado ao intervalo era favorável á Alemanha, apenas por 2 pontos, indicador que a 2ª parte iria ser mais do mesmo e que o jogo iria estar aberto até ao final.
Os ultimos minutos do 3º quarto Portugal permite um pequeno ascendente da Alemanha, quando a 2.50 do final do 3º quarto apenas marca 2 pontos por LUzia Lampreia a quebrar o jejum, permitindo assim à Alemanha entrar no derradeiro periodo com 6 pontos de vantagem (41-35).
Essa diferença teimava a manter-se, e Portugal tudo fazia para a reduzir, embora algumas acções nao foram de melhor decisão, e a 5 minutos do final Christina Schnorr marcava e do outro lado MAria Andrade não era feliz falhanço alguns lançamentos criados,
A Alemanha passa para 54-44, a 3.19 do final, Portugal começava a acusa algum desgaste, e via a tarefa dificil de conseguir dar a volta ao jogo. De seguida, o mesmo filme de jogos anteriores, Portugal adicionava á sua conta so mais 2 pontos nos ultimos 6 minutos do jogo, demasiado pouco para dar a volta e a Alemanha apenas se limita a controlar a vantagem e a vencar por (59-46).
Maria João foi a melhor com 14 pontos, e do lado da Alemanha a poste Sonja Greinacher com 16 pontos 10 ressaltos foi a mais eficaz.

Portugal fica assim em 2º Lugar do grupo G, e disputa amanhã o jogo que atribui o 11º e 12º lugar do Europeu com Israel, por sua vez a Alemanha, disputa o 9º e 10º posto com a Selecção de Montenegro.

Parciais:

15-14, 12-11, 14-10, 16-11

ALEMANHA 59

Mary Mihalyi; Julia Gaudermann 2; Sophie Eder; Judith Schmidt 8; Finja Schaake 5; Julia Kohlmann 8; Sabrina Ochs; Laura Hebecker 11; Christina Schnorr 7; Laura Masek; Sonja Greinacher 16; Anna Heise.

PORTUGAL 46

Daniela Domingues 8; Victória Pacheco 8; Vania Torres de Sousa; Paula Couto; Filipa Bernardeco 5; Ines Pinto; Jessica Almeida 4; Luzia Lampreia 5; Joana Jesus 2; Susana Cardoso; Maria Andrade 14.

05/08/2010

Selecção Sénior - Noruega já no Sábado 18.00 Horas em Coimbra

Quando pensamos na Noruega, lembramo-nos logo do bacalhau, nórdicas aguas abundantes do fiel amigo, que nos identifica em todo o mundo pela maneira que é preparado e confeccionado antes de pensarmos em Basquetebol.
Aí lembramo-nos daquelas miudas loirinhas que, "deixa lá ver como as raparigas jogam".
Embora da equipa da Noruega não podemos esperar facilidades, já que existem, jogadoras experientes, apesar da Liga da Noruega ser apenas de cinco equipas, cruzando-se por vezes com equipas dos vizinhos Finlândia e Dinamarca e Suécia.
Suécia que foi o país escolhido para Anette Johansen jogar, uma base da Noruega com 1.76, tal como a Poste Kristina Tattersdill 1.83 a actuar no Sallen da Suécia.

Merece-nos todo o respeito a D. Nanna Sand, a mais experiente jogadora atiradora, da equipa com 33 anos 1,81, actualmente a jogar no Asker Verk da Noruega. Nanna Sand é a segunda melhor marcadora da Liga com 17,1 pontos por jogo e a melhor ressaltadora da Liga Norueguesa com 10.4 por jogo.

Tina Moen, outra extremo forte com 1.83, com grande capacidade defensiva, já jogou em Portugal esta época pelo Sdent Sierre, equipa que defrontou o Vagos na EuroCup.
Tina irá para o Pio XII de Espanha, a ex. equipa de Sofia Ramalho, da competitiva Liga 2 Espanhola.

Maren Hoff Austgulen, é uma base extremo, jogadora do Ulriken, uma das melhores equipas da Liga, Maren foi a 4ª melhor marcadora da Liga Norueguesa com 12.7 pontos por jogo.

Argumentos mais que suficientes para não ficarmos em casa no Sábado, e irmos ao Pavilhão do Multiusos de Coimbra, ver e apoiar a nossa Selecção, que já à largo periodo se encontra a preparar esta 1ª Fase do Grupo de Apuramento à Divisão A do Campeonato da Europa.
Também amanhã e a contar para o grupo de Portugal, a Suécia recebe a Eslovénia.

Todos a Coimbra apoiar a Selecção.

Sub-18 Vitória sobre a Bósnia

Portugal cumpriu o que se previa, depois uma fase de grupos mais atribulada tinha de se confrontar com a Bósnia, equipa que ainda nao conheceu o sabor da vitória neste Europeu, e uma boa entrada no jogo da equipa Lusa, marcou logo alguma diferença naquilo que seria o desenrolar do jogo.
Muito por culpa de algum conforto que as interiores, Maria João e Vitória Pacheco começaram a sentir nas zonas mais próximas do cesto.
A ida para o intervalo com uma vantagem de 8 pontos (30-22), mostrava algumas dificuldades da equipa Bósnia, mas Portugal tinha necessidade de não facilitar e manter a distância.
Um periodo dos ultimos 2 minutos do 3ª quarto menos conseguido, permite à Bósnia passar de 40-26, para uns 40-35, resultado com que terminou o 3º periodo, e parecia o fantasma do jogo da Suiça voltar.
Mas nada melhor que o intervalo dos periodos para rectificar algumas coisas. No ultimo e derradeiro periodo, Portugal manteve-se na frente, e a Bósnia o melhor que fez foi a 5 minutos do final chegar a 3 pontos de diferença 48-45, mas Joana com um duplo e Filipa com um triplo, serenava as hostes lusitanas e embalava a equipa para mais uma vitória.
Jessica e Joana 11 pontos, Maria João 14, e Vitória 14, eram as demais destaque enquanto na Bósnia Nicolina Milic com 15 pontos e 9 ressaltos era a mais inconformada.

Portugal joga amanhã com a Alemanha, e à boa maneira portuguesa ficaremos dependentes de outros resultados, para ver que lugares iremos disputar.

Afinal Inês Faustino já em Portugal, não necessitou de ser operada ao nariz, visto não ter nenhum desvio que o justifique. A jogadora depois de alguns dias de repouso poderá voltar a actividade, com as devidas precauções como uma situação destas requer.
A gravidade diagnosticada pelos médicos na Roménia era um argumento para accionar o seguro da FIBA.
A comitiva Portuguesa como é normal nestas coisas não ficou nada agradada com esta conclusão.



Parciais:
15-6, 15-16, 10-13, 19-11

PORTUGAL 59

Daniela Domingues; Victória Pacheco 5; Vania Torres de Sousa; Paula Couto; Filipa Bernardeco 10; Ines Pinto; Jessica Almeida 11; Luzia Lampreia 8; Joana Jesus 11; Susana Cardoso; Maria Andrade 14.


BÓSNIA HERZGOVINA 46

Vesna Lukic 8; Marica Gajic 4; Miljana Dzombeta 2; Tijana Buha 2; Kristina Skocajic; Ema Sosic 5; Aldina Trumic; Marina Dzinic 4; Nikolina Milic 15; Natasa Tomasovic 2; Nikolina. Dzebo 4.

04/08/2010

Quem é Ilona Korstin

Ilona Korstin, considerada uma das melhores jogadoras da Russia, e Capitã de equipa, prepara-se para juntamente com a selecção do seu país atacar o próximo Campeonato do Mundo na Republica Checa em Setembro.

Além de ter o prazer de a ver jogar ao vivo vários jogos, é uma base organizadora de jogo, com mau feitio, mas uma grande lider.

Hoje falo dela:
Ilona é detentora de um curriculo invejável, embora não se pense que a sua carreira toda ela foram rosas, porque não foi assim.
Nascida em Leninegrado, agora chamada São Petersburgo,é filha de pai Estóno, e mãe Ucraniana, desde menina que o seu pai a incentivou à pratica desportiva, como forma de, conciliando com os estudos, pudesse tentar uma carreira. Passando por varias modalidades, a familia queria que Ilona fosse ginásta, já que Nádia Komanechi era a referência do desporto Russo na altura, mas Ilona era demasiado grande para ser ginásta, então no atletismo começou a ter algum sucesso embora o gosto fosse relativo, já que as distâncias "1/2 Fundo" eram demasiado grandes.
Aos 10 anos Korstin foi enviada para uma secção de Basquetebol, para uma treinadora de seu nome Kira Trzheskal, uma das melhores formadoras de jogadoras de basquetebol da Russia, e Ilona embora se confrontasse com muitas dificuldades técnicas, apaixonou-se pelo novo jogo, num grupo no qual fazia parte Maria Stepanova, Yelena Karpova, Svetlana Abrosimova, quem diria, no futuro eram 4 das melhores jogadoras Russas da actualidade.
Assim em 6 anos Ilona teve uma evolução impressionante, passou nos escalões mais jovens, para competições Internacionais Cadetes e Juniores.
O seu 1º contacto no escalão maior foi em S. Petersburgo, uma equipa que tinha grande dificuldades financeiras, que até para ir aos jogos fora, nem sabiam se íam ter dinheiro para o avião.
Desta forma as meninas de S. Petersburgo deram-se a conhecer pela Russia, e Ilona e as outras colegas foram muito elogiadas em Moscovo num jogo com o já gigante CSKA.
Aos 17 anos a vida muda já que a mãe casa com um francês, e Ilona vê-se demalas e bagagens para França, e continuando a sua actividade e os seus estudos, vê-se com a dupla Nacionalidade.
Após muito esforço e trabalho para puder perceber e estudar a lingua, conquistou lugar de destaque numa equipa Sénior da Liga Francesa, e aí os responsáveis da Federação Francesa queriam Korstin na Selecção Francesa. Ilona com 20 anos ficou baralhada, mas uma coisa tinha a certeza, não pondo em causa o país que a acolheu, ambicionava jogar ao mais alto nivel, e em 2000 assegurava uma presença na selecção do país que a viu nascer.
Em 2001 com a amiga Stepanova experimenta a WNBA em Phoenix, embora a pouca utilização,a fez não repetir a experiência e voltou a França para a competitiva equipa do Brouges, no qual venceu um campeonato e uma Euroliga.
Em 2003 o assédio do CSKA era imenso, e rápidamente o Clube se tornou uma dos melhores Clubes do Mundo, onde não só luta pelas Competições Internas, como domina a competição na Europa.
Na Russia o CSKA paga os mais altos salários, consegue equipas com as melhores do jogadoras do mundo e Ilona não foge à regra, e estabilizou a sua carreira agora com 30 anos.

Korstin e a responsabilidade da sua selecção querem continuar a trabalhar para conquistar coisas, como se a carreira começasse agora; e a luta para as medalhas recomeça já, no primeiro minuto do primeiro treino.
















Dados de Ilona Korstin

Nasceu a 30 de Maio de 1980 em Leningrado.
Altura: 182 cm Peso: 67 kg.
Formação Académica: Gestão de Empresas
Menção Honrosa: Mestre no Desporto
Clube Actual:CSKA e Selecção Nacional da Russia
Medalha de Bronze em 2004 e 2008.
Medalha de Prata Campeonato do Mundo 2002 e 2006.
Campeã Europeia 2003 e 2007.
Medalha de Prata em 2001 e 2005.
Vencedora da Euroliga 2001 e 2005.
Vencedora da Liga Mundial Clubes 2004 e 2007.
Vencedora da Taça do Mundo 2003.
Campeã de França 1998/1999 e 1999/2000.
Campeã da Russia 2004 a 2006
Vencedora da Taça Russa 2004, 2006, 2007, 2008.
Tri-Campeã da Europa Cadete, Junior Selecção Russa
Membro da "Force Majeure" São Petersburgo - 1996/97.
CJMB Brouges - França - 1997/98, 98/99, 99/00, 00/01, 01/02, 02/03.
WNBA - Phoenix Mercury - 2001.
CSKA Moscovo - A partir de 2004

03/08/2010

Joana Bernardeco chamada à Selecção Sénior

Com Sofia Ramalho de fora, por uma questão mais importante que tudo na vida, Ricardo Vasconcelos, procurou de imediato uma solução, na qual passasse por chamar uma jogadora, com caracteristicas semelhantes às da Sofia.
A escolha recaiu em Joana Bernardeco, uma jovem talentosa e com ainda muito potencial para evoluir.

Formada no ADE Sintra, e uma repetente nas selecções jovens todos os anos presente nos Europeus desde 2004.

Joana é uma jogadora da posição 1, base organizadora do jogo, com grande capacidade de tiro exterior, ela esteve presente no ultimo Europeu de Sub-20 na Macedónia, com médias de 7,6 pontos por jogo; 3 ressaltos e 2,4 assistencias, em 29 minutos de média por jogo.

Já se encontra integrada na Selecção, e estreia-se pela 1ª vez na mesma, estreia essa que sabiamos mais cedo ou mais tarde iria acontecer.


Parabéns Joana e bom trabalho.

Sub-18 perdem contra a Suiça

Não chegou a vitória contra o Luxemburgo a ritmo de passeio no dia de ontem, que conseguiu apagar o desaire dos dois primeiros jogos do Europeu que afastou Portugal da luta do grupo dos melhores.
A equipa não conseguiu levar de vencida a Suiça, que parecia acessivél, embora cada jogo tenha uma história.
A prestação a nivél do lançamento de dois pontos foi determinante no desfecho final do jogo, Portugal faz 46% sendo uma marca boa, contra uns 77% da parte da Suiça, era uma diferença abismal, e não se conseguiu que esta eficacia baixasse, já que nos outros parâmetros estatísticos havia equilibrio, jogando assim a Suiça transparecia uma confiança acima da média.
Portugal faz um 1º parcial equilibrado, a vencer por um ponto (17-18), permitindo a reacção Suiça passando para a frente no final da 1ª parte.
(40-35), era o resultado ao intervalo, que teve desde logo uma boa reacção da equipa lusa, que no 3º parcial,reduziu a diferença para um ponto à entrada do derradeiro periodo.
Portugal começava a mandar no jogo e passa para a frente num ápice chamando a si o comando do mesmo, e a 4,03 ganhava por 6 pontos (66-72).
A partir dali, era preciso manter a diferença e, ou aumentá-la, e até ao final, a unica coisa que Portugal fez, foi apenas um lance livre, e a Suiça de uma forma surpreendente faz um parcial de (13-1), deitando por terra quaisquer hipotese de Portugal vencer o jogo.
Do lado Suiço Dana Bozovic com 14 pontos e um quarteto de luxo com 12 pontos cada uma, foram demasiado eficazes para a apatia defensiva portuguesa.
Na equipa Portuguesa Dany, Joana e Jessica com 13 pontos, e Maria João com 20 pontos, foram as melhores.
Portugal está agora no Grupo G, e vai jogar com a Bósnia Herzegovina, (12.30 H), equipa que ainda não ganhou qualquer jogo no Europeu

Parciais:

17-18, 23-17, 16-20, 23-18

SUIÇA 79

Mélissa Favre; Nadège Clément; Sarah Cavin 12 ; Alix Rieder 12; Vanessa Dorestant 5; Martina Bracelli; Anne Gavin; Dorothée Studer 11 ; Dana Bozovic 14; Giulia Simioni 1; Rosalie Grobet 12; Anissa Toumi 12


PORTUGAL 73

Daniela Domingues 13; Victória Pacheco 3; Vania Torres de Sousa; Paula Couto; Filipa Bernardeco; Ines Pinto 10; Jessica Almeida 13; Luzia Lampreia 1; Joana Jesus 13; Susana Cardoso; Maria Andrade 20.

Selecção Sub-16 continua a preparação para o Europeu


A Selecção Sub-16 continua a sua preparação na Bairrada tendo em visto o Europeu, a realizar em Skopja na Macedónia, Portugal estreia-se no dia 12 frente à Bulgária. Hungria e Suiça serão os adversários que se seguem fazendo parte do mesmo grupo A. O Europeu de Skopja será disputado por 16 equipas divididas em 4 grupos de 4 equipas,os dois primeiros de cada grupo jogam do 1º ao 8º posto, onde o 1º e o 2º sobem á divisão A. Os outros irão disputar os lugares do 8º ao 16º.
Ana Neves e Cristina Viegas tem à sua disposição 14 jogadoras, os treinos são bi-diários no Pavilhão do Sangalhos D.C..
Dia 10 partem rumo à Macedónia, com muita esperança e muito querer na bagagem.

EQUIPA

Ana Santos - Coimbrões
Carolina Anacleto - Sanjoanense
Helena Costa - Barcelos
Inês Viana - Sanjoanense
Joana Canastra - Zona Alta
Joana Soeiro - Gafanha
Josephine Filipe - PT Coimbra
Laura Ferreira - Escola da Amadora
Leonor Cruz - Zona Alta
Leticia Fonseca - Lousada
Mafalda Barros - CAB Madeira
Nádia Fernandes - ADE Sintra
Raquel Jamanca - Montijo
Sofia Pinheiro - Sanjoanense

Treinadores: Ana Catarina Neves e Cristina Viegas
Fisioterapeuta: Carla Nunes
Secretário: Paulo Silva
Directora: Maria João

Sub-18 Portugal vence Luxemburgo em ritmo de treino

Como se previa, uma equipa que se apresenta num Europeu apenas com 9 jogadoras, deve usar o fisioterapeuta, se é que o têm, ou treinador adjunto, para trabalhar as coisas do 5x5, ou então só chegam ao 3x3 ou ao 4x4.
Isto demonstra que o Luxemburgo da forma como se apresenta no Europeu não pode ser uma equipa forte ou evoluida, mas sim um grupo de miudas loirinhas que lançam umas bolas e devem ter no seu país uma competição de baixo nivél, e por isso devia estar na Divisão C.
Portugal num jogo ao ritmo de treino fez o que lhe competia, embora os 42 pontos são demasiados para o nivél do Luxemburgo, mas foi um jogo para as 11 jogadoras participarem, já que Inês Faustino, uma jogadora com 21 minutos de média na Competição Europeia, e 26 minutos na Liga Portuguesa, nunca foi grande opção, e deixou de ser de vez ao fazer uma fractura no nariz, terminando mais cedo o Europeu, esperada hoje em Portugal, afim de ser operada.
Todos os periodos foram favoráveis a Portugal, embora a espaços o Luxemburgo lá ía reagindo.
O Luxemburgo aumentou o nº de pontos marcados num jogo do Europeu, começando com 38 contra a Grécia, 42 contra a Suiça e agora 47 contra Portugal.
Maria João, a poste que não é poste, foi a melhor com 18 pontos e 10 ressaltos seguido de Luzia com 17 pontos. Do lado do Luxemburgo Lenna Hetto 18 pontos, em 22 minutos de utilização, mais parecia uma jogadora a carregar uma fragil equipa ás costas.
Portugal joga hoje contra a frágil Suiça ás 19.15 hora Portuguesa.

Parciais:
22-10, 21-10, 18-14, 19-13

PORTUGAL 80

Daniela Domingues 11; Victória Pacheco 8; Vania Torres de Sousa 2; Paula Couto 7; Filipa Bernardeco 7; Ines Pinto 2; Ines Faustino; Jessica Almeida; Luzia Lampreia 17; Joana Jesus 4; Susana Cardoso 4; Maria Andrade 18.

LUXEMBURGO 47

Kim Schintgen 8; Paulina Scheuren 8; Laura Wilwert; Nadia Marcus 5; Sandie Lorsché 2; Julie Zovilé 1; Jana Putz 5; Lena Hetto 18; Sophie Scheider.